Jumentologia


por Luiz Henrique Matos

(5º texto da série “Plantar e Colher – Princípios Bíblicos”)

Até agora estou desconcertado, meio eufórico, mas me conforto em saber que eu sou parte da promessa. Você pode ler na sua Bíblia, há claramente uma descrição a meu respeito em uma das profecias que fala do Cristo (Zacarias 9, 9). Mas para esclarecer os fatos, vou lhe contar um pouco de minha história…

Oxente! Eu estava lá, tocando minha vidinha em Betfagé, próximo a Jerusalém, sossegado, na minha. Sempre tranqüilo, ao lado de minha mãe naquela humilde cidade da Judéia. Mas aí um dia, as coisas mudaram para nós.

Chegaram dois homens e sem mais nem menos começaram a desamarrar mâínha e eu do poste onde estávamos presos. Já iam nos levando embora quando outros homens ali do vilarejo perguntaram onde iam aqueles cabras com dois jumentos que nem eram deles. Tiveram ali um dedo de prosa, chegaram em uma conclusão e finda a conversa continuaram levando a gente em direção à entrada da cidade.

“Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, ao Monte das Oliveiras, Jesus enviou dois discípulos, dizendo-lhes: ‘Vão ao povoado que está adiante de vocês; logo encontrarão uma jumenta amarrada, com um jumentinho ao lado. Desamarrem-nos e tragam-nos para mim. Se alguém lhes perguntar algo, digam-lhe que o Senhor precisa deles e logo os enviará de volta'” (Mateus 21, 1-3).

Ali, na entradinha do vilarejo, estava aquele homem alto, forte e barbudo. Junto dele, mais doze cabras que o cercavam e serviam. Então pegaram a mãe e eu, jogaram umas mercadorias no lombo dela e o tal do Mestre (como eles chamavam o cabra forte e barbudo) subiu no meu lombo. Eu mal podia imaginar que enfim, o meu dia de fama estava começando.

“Os discípulos foram e fizeram como Jesus havia ordenado. Trouxeram a jumenta e o jumentinho, colocaram sobre eles os seus mantos, e sobre estes Jesus montou” (Mateus 21, 6-8).

Sendo sincero com você nessa minha autobiografia, sempre sonhei em ser um popstar sabe? Queria ficar famoso e brilhar no showbusiness aqui na minha terra, mas esse não era um lugar de grandes oportunidades para os jumentos. O povo nos recrimina, fala que não somos tão dignos, sei lá, acho tudo isso muito preconceituoso. Até usam nosso nome como artifício para denominar alguns humanos: “Seu jumento!” eu ouvia alguém gritar e logo pensava que era comigo, mas quando via, era alguém ganhando a glória pelos nossos feitos. Mas algum dia, ah algum dia, eu seria reconhecido e mudaria essa perspectiva!

Minha mãe contava a história de um ancestral nosso que era de uma linhagem nobre e até falou com os tais humanos. Êita! Veja só, disse para um cabra coisas que Deus precisava falar e o cabeça dura não ouvia. E olha que o hômi era profeta (mas pelo que ouvi, o tal do profeta Balaão era teimoso que nem um jumento!). Na Bíblia até tem um registro que fala disso (Números 22, 20-31).

Mas eu, Jujúmento de Israel, depois de tanto tempo no ostracismo, esquecido aqui nessa terra, já até achava que minha vida estava mesmo destinada a atividades operacionais e chatas e que de fato, eu nunca brilharia. Mas eis que aquele Mestre é usado para me dar essa glória. Naquele dia ele montou em mim e foi mostrando o caminho do estrelato enquanto dirigia para entrar na cidade.

Cheguei então à via principal daquele local. Via pessoas me cercando, abrindo caminho para eu passar e estendendo mantos e ramos de árvores para dar passagem ao Jujú aqui. Era tudo por minha causa, eu era a estrela brilhando naquele dia e o homem sentado nas minhas costas mostrava para toda aquela gente que um jumentinho pode enfim ser uma celebridade. Gritavam ali umas coisas estranhas: “Rosana! Rosana!” mas eu nem ligava muito (isso lá é nome de macho?) só desfilava com toda pompa e honra.

“Uma grande multidão estendeu seus mantos pelo caminho, outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho. A multidão que ia adiante dele e os que o seguiam gritavam: ‘Hosana ao Filho de Davi! Bendito é aquele que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!'” (Mateus 21, 8-9).

E assim foi até chegarmos no centro da cidade. Aí o Mestre desceu do meu lombo, entrou no templo e fez um fuzuê lá dentro. Expulsou uns caras que vendiam coisas por ali, disse que aquela era a casa do Pai dele e que eles não deveriam fazer aquilo. Teve gente que gostou da atitude, mas um monte de cabra casca-grossa não achou nada bom e começou a perseguir o Mestre depois disso.

Eu só sei que tive meu momento de glória. Fui montado por um cabra muito do gente boa e tive meu nome escrito no livro mais publicado e vendido de toda a humanidade. Minha história está lá, para os meus descendentes lerem e lembrarem que jumento também tem seu valor e que eles também podem ser “instrumentos” nas mãos do Criador (sim, Ele também criou os jumentos ãra!).

“Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que vem a ti o teu rei; ele é justo e traz a salvação; ele é humilde e vem montado sobre um jumento, sobre um jumentinho, filho de jumenta” (Zacarias 9, 9).

* * *

Em suas atribuições sabemos que Deus é o único onipotente, onisciente e onipresente. Criou todas as coisas nessa terra, o tempo, as florestas, os homens e… os jumentos. Cada um de nós foi projetado por Deus para cumprir o Seu propósito e o que Deus sonhou para mim e para você são coisas exclusivas, que só nós poderemos fazer.

Mas há um inimigo muito audaz que pode impedir a concretização dos sonhos de Deus: a nossa carnalidade. Explícita na vaidade, na arrogância, na auto-suficiência, no rancor, na altivez e tantos outros frutos de nossa índole corrupta. O pecado é o que nos separa de Deus. Originalmente, em grego, “pecado” quer dizer “errar o alvo”, ou seja, errar o plano para o qual fomos criados.

Como o Jujúmento em seu texto, somos escolhidos e separados pelo Senhor como instrumentos para a Sua obra e temos todo o potencial e capacidade para cumprir esse chamado. Mas em nossa ignorância requeremos para nós mesmos uma glória que é dEle. Nos dispomos e nos alegramos em ser usados para levar Jesus ao encontro do povo, mas chegamos também a acreditar que o caminho aberto à frente e a celebração são de fato, para nós.

Precisamos aprender a ser mais jumentos e menos humanos em outro aspecto, o real: ter humildade para servir mais e brilhar menos. Carregar sobre nós Aquele que reina e deixar que com os nossos esforços diários e constantes Ele seja visto e adorado. A obra é dEle, nós somos dEle e tudo o que for feito por Ele através de nós, deve refletir a Sua santidade e honrar o Seu nome.

É necessário saber que Deus é Deus apesar de nós e Sua obra a de se cumprir. Precisamos deixar de ser teimosos tal qual jum… ops, Balaão e ser mais humildes como o ancestral de nosso amigo que falou com o profeta.

Sementes – Exerça sua humildade e coloque-se à disposição de Deus para servi-Lo independentemente de sua vontade. Ele quer subir em nossos lombos e ser visto pelos povos através de nossas vidas. Mas Deus não divide Sua glória com ninguém, por isso não queira brilhar ou ser aclamado pelo que faz. A honra é conseqüência de um trabalho feito com excelência, mas a glória e louvor devem ir para o nosso Deus, sempre.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s