Um novo reino


por Luiz Henrique Matos

Relatos desse mesmo dia, em algum lugar de uma época…

Essa noite trovoou lá fora, ouvi os estrondos e as águas correntes da chuva despencando do céu. Escutei os brados da guarda marchando pelas ruas, ouvi as velhas ameaças do mal em seus movimentos, as injúrias opressoras contra um inimigo silencioso que não se podia distinguir pelo som e que chegava inesperadamente tomando as ruas com sua presença pacífica.

E dizem os poucos que viram que o que era a ordem vigente, passou de repente a mudar seu posto. As armas foram todas ao chão, os soldados mudaram de lado. E o que era escuro foi então clareando. Onde estavam as sombras houve a luz. E com o cair da noite, fez-se o dia reluzente.

Ao cantar do galo, todos se levantaram, as ruas foram cheias do perfume do café com pão fresco que saía das casas, as gotas de orvalho eram vistas sobre as plantas, o cheiro da chuva que caiu na terra ainda impregnava o ar e aos poucos os primeiros trabalhadores saíam para o trabalho.

Mas apesar da rotina aparentemente inalterada, todos sabiam da mudança. Sim, havia a certeza de que algo estava diferente. E no íntimo, sem qualquer anúncio público, souberam da presença de um novo rei que tomara o poder naquelas horas de trovões.

E foi assim, silencioso e de assalto, que nasceu o dia da grande conquista, este foi o dia em que o AMOR assentou-se em seu trono sobre a terra.

* * *

Mas ainda que incólume sobre a vida de seu povo, nas entranhas e estruturas da sociedade, grandes reformas foram implementadas. Em instantes, viu-se como nunca em toda a história, a transformação do mundo.

E esse é o dia em que a arrogância declina à humildade e toda guerra nos continentes finda em plena paz. As tempestades foram acalmadas, o frio amenizado e os que eram pobres naquelas ruas já sentem-se supridos pelo calor e sustento de seu novo rei.

Do seu trono, o amor não observa alheio, ele desce para estar entre o povo. Sua glória, afinal, é percebida e todos são tocados pela sua presença.

“Quão nobre e bom é o nosso rei!” – diz o povo em cada esquina.

O povo está alegre e há festa, com música e dança na corte. Os servos celebram não mais pela opressão de um tirano, mas agora pela liberdade extraordinária e também a certeza do que não se vê, mas sabe-se, ah como sabe-se, que está entre eles.

“Que reine eternamente o amor!” – proclamam pelas praças e em suas casas.

Nessas praças, a corrupção se exauriu e cresce a honra. O roubo desapareceu e se faz vistosa a honestidade, a miséria enfraqueceu e farta está tornando-se a prosperidade, que agora é de todos e não de apenas uns.

Nas casas, pais, mães e filhos crescem na unidade, verdade e na partilha. Prosperam como o mundo todo agora o faz. Em sua mesa há paz, em seus leitos carinho. A família é uma só. E o amor está entre eles.

Eu, de minha pequenez, junto-me a todos e me dobro diante do amor. Sinto todo o meu vazio ser preenchido e minha vida é renovada nessa fonte.

“Que rei é esse?” – perguntam-se todos – “Anda entre nós, nos traz para perto de si” – certamente em nada se parece com os que o precederam no governo.

Um rei sem erros, mágoas ou ciúmes. Um rei bondoso, puro, paciente e eterno. E que somente por si e seu povo, tudo suportou, tudo sofreu, tudo esperou para que chegasse este dia, em que os vê face a face.

E por cada alameda ou fresta deste mundo novo, o amor fez-se governante, não mais com guerras, batalhas, políticas ou negociatas obscuras. O amor não arromba, não mata, não toma. Ele conquista.

Tão próximo de cada um de nós, o vemos refletido uns nos outros, na face da alegria, da esperança, da misericórdia e na verdade.

Os jornais anunciam que foram abertas as cadeias, porque já não existem mais ladrões. Aos ventos ouve-se o novo anúncio: “Acabou a religião!”.

Foi destituída a igreja dos homens, porque agora já não há doutrina, tão pouco normas, divisões, diferenças ou denominações. As instituições deixam de existir, todos os povos vivem em comunhão e nós, homens, nos sentimos parte de uma mesma família.

Hoje todos conhecem e vivem a verdade única, afirmação de posse do novo rei, conduta de vida nesta terra que se renova e gravada para a eternidade: “O reino do amor é construído no coração do homem. E ali o nosso senhor edifica sua morada”.

E ao fundo, ouve-se a voz de um de seus filhos, o profeta. Sua declaração encontra descanso na alma de todo o povo e testifica para a eternidade:

“Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor” (1 João 4:8).

* * *

“As doze portas eram doze pérolas, cada porta feita de uma única pérola. A rua principal da cidade era de ouro puro, como vidro transparente. Não vi templo algum na cidade, pois o Senhor Deus Todo-poderoso e o Cordeiro são o seu templo. A cidade não precisa de sol nem de lua para brilharem sobre ela, pois a glória de Deus a ilumina, e o Cordeiro é a sua candeia. As nações andarão em sua luz, e os reis da terra lhe trarão a sua glória. Suas portas jamais se fecharão de dia, pois ali não haverá noite. A glória e a honra das nações lhe serão trazidas” (Apocalipse 21:26).

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s