Um Deus, diversos cultos


por Luiz Henrique Matos

“Irmão! Você diz que há uma só maneira de adorar e servir ao Grande Espírito. Se há somente uma religião, por que os brancos discordam tanto sobre ela? Por que não estão todos de acordo, uma vez que vocês todos sabem ler o livro? […]” (Jaqueta Vermelha, índio Sêneca, 1756-1830).

Atrevo-me a concordar com o Jaqueta Vermelha – ainda que esse me pareça mais o apelido de um motociclista do que nome de líder indígena – e fixo o pensamento especialmente sobre um detalhe: existe apenas um Deus, mas são muitas as formas de culto.

E se tivéssemos isso em mente, aprenderíamos a respeitar e não julgar a busca individual de cada um e as diferentes comunidades que se reúnem para cultuar a Deus – isso vale, num primeiro nível, para outras denominações cristãs e, em outro aspecto mais profundo, a outras culturas e religiões que ignoramos.

É importante ter isso em vista também ao pensarmos no conceito de “salvação” e nas diferentes iniciativas de evangelização entre os cristãos. Cientes de que Deus é um só, mas que são inúmeros os jeitos de nos relacionarmos com ele, deveríamos nos dar conta de que a forma ou o procedimento são muito superficiais e que central é apresentar o Deus único e verdadeiro tal como ele é.

Precisamos nos preocupar mais em falar sobre o “quem” (Deus) às pessoas – é isso, no fundo, que todo ser humano procura e precisa, conscientemente ou não – do que “como”, “por quê” e “onde” que são as imposições da religião. Estamos ligados demais nos assuntos periféricos da fé e nos esquecemos do ponto central, a essência, que é o próprio Deus.

E ele se revela integralmente na pessoa de Jesus Cristo. Ele é a face de Deus que devemos pregar e refletir. Seu caráter, seu amor, sentimentos, palavras, sua história de vida, morte e ressurreição. Isso é fundamentalmente mais importante do que meia-dúzia de passos para a salvação ou as dez regras básicas de sei-lá-o-quê que as igrejas forçam em seus estatutos – essa é a cegueira farisaica da qual Jesus tentou nos curar.

Jesus Cristo é o centro, o caminho, a verdade e a vida. Se formos como ele, as pessoas serão atraídas por ele.

“No essencial, unidade; Nas opiniões, liberdade; Em todas as coisas, o amor.” (Rupertus Maldenius).

3 comentários sobre “Um Deus, diversos cultos

  1. Obrigado por sintetizar tão bem a raiz de muitos equívocos religiosos que fazem tantos sofrer e outros tantos recusarem a fé.
    Isso é um estandarte que vale a pena levantar e defender com dedicação.
    Abraços!

    Curtir

  2. Pingback: Churrasco, futebol, igreja e uns quilos a mais « Missão Virtual

  3. Pingback: Os evangélicos bomba « Missão Virtual

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s