Chove

inevitavemente, a chuva cai.
sobre bons e maus ela cai.
e às vezes, não há muito o que se fazer nessa hora.
eu observo,
reflito,
aciono o limpador de parábrisas
e sigo em frente.

-LHM

Cochilando nas tempestades

por Luiz Henrique Matos
(Tópico de reflexão para o grupo pequeno em 1/4/9)

“Certo dia Jesus disse aos seus discípulos: ‘Vamos para o outro lado do lago’. Eles entraram num barco e partiram. Enquanto navegavam, ele adormeceu. Abateu-se sobre o lago um forte vendaval, de modo que o barco estava sendo inundado, e eles corriam grande perigo. Os discípulos foram acordá-lo, clamando: ‘Mestre, Mestre, vamos morrer!’ Ele se levantou e repreendeu o vento e a violência das águas; tudo se acalmou e ficou tranqüilo. ‘Onde está a sua fé?’, perguntou ele aos seus discípulos. Amedrontados e admirados, eles perguntaram uns aos outros: ‘Quem é este que até aos ventos e às águas dá ordens, e eles lhe obedecem?'” (Lucas 8:22-25).

No meio da tempestade, Jesus cochilava. Em meio ao desespero, o medo da morte, na violência do vendaval, Jesus pergunta serenamente: “onde está a sua fé?”

No trajeto da vida, as tempestades sempre existirão. O que precisamos saber é que, seja qual for a circunstância, podemos confiar naquele que “aos ventos e às águas dá ordens, e eles lhe obedecem”.