Reconstrução

por Luiz Henrique Matos

“As coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo!” (2 Coríntios 5:17b).

Tenho pensado no Japão e no Haiti de uns tempos pra cá. Mais especificamente, desde que os dois países foram atingidos por terremotos, volta e meia me pego curioso sobre as tragédias que aquelas pessoas viveram. Num antagonismo singular, de um lado uma das cinco economias mais prósperas do planeta e, do outro, uma das misérias mais evidentes. Duas ilhas, o mesmo mal e a testificação dolorosa de que tempestades atingem a todos.

Ao contrário do que parece, não tenho sido tocado por sentimentos altruístas. Quisera fosse, mas preciso ser honesto aqui. O que me vem à mente agora, meses depois, é que passada a devastação imediata da tragédia, aqueles povos precisam reerguer suas cidades. Eles estão começando de novo, catando as sobras e as lembranças, procurando sob escombros um pouco de força.

Mas o que mais me intriga é pensar que ainda antes de reconstruir, aquela gente vai precisar tirar o lixo da frente. Bem, lixo… o que eram suas casas, suas famílias, seus bens e apegos, agora são escombros que precisam ser movidos, limpos, organizados, para só então uma nova cidade ser edificada.

Tira-se pedra sobre pedra, ergue-se um tijolo após outro. E nos alicerces, em cada novo palmo da vida, um pouco do passado, uma memória recente, agora assentada com massa e reboco.

Pessoas estendem suas mãos e clamores a Deus, outras pessoas estendem suas mãos e ajudam, doam e participam. Mas em geral, passada a comoção imediata, a reconstrução é um processo bem solitário.

Ontem à noite fomos a um casamento. Preciso dizer que, ao contrário de muitos amigos, gosto de casamentos. Além da beleza da festa e do fato de ser a única ocasião em que uso gravata – e passo 45 minutos tentando acertar o nó daquela tirinha de pano que penduro no pescoço – me encanta o significado todo do ritual e os procedimentos, tudo ainda meio primitivo, um homem e uma mulher no exato momento em que decidem se tornar uma só carne. Coisa bonita, a cena toda, muito melhor do que qualquer novela. Eu sou um romântico.

Mas essa, a de ontem, talvez tenha sido uma das cerimônias mais tocantes em que já estive. Toda a cena, beleza e expectativa estavam lá, mas o que tornava o momento ainda mais peculiar é que aquele se tratava do segundo casamento dos dois, que vinham de divórcios depois de viverem anos tentando sustentar suas famílias. Cada um com sua história, trazendo consigo o passado, as experiências, filhos, sonhos e talvez um terremoto que tenha destruído e deixado em escombros boa parte do que construíram em suas vidas.

Foi uma cerimônia simples, elegante e muito agradável. Mas aquele momento trazia todo o significado que essa analogia descreve. Era incrível vê-los ali, confirmando um para o outro os seus votos, empurrando no dedo o anel dourado que cobrirá a marca antiga, na alegria e na tristeza. Uma nova aliança, uma nova chance, sonhos refeitos e Deus renovando o amor, puro amor, para que um homem e sua garota, apaixonados como jamais pensaram ser possível outra vez, construam juntos uma família.

É bonito ver como Deus age. Após a tragédia, sob a aparente destruição, ele faz brotar vida. Nas marcas do passado, seu toque é capaz de cicatrizar e sarar feridas. Ele oferece redenção, consolo, cuidado, ele refaz sonhos e nos veste com uma roupa limpa e nova para que participemos da festa. Deus transforma o mal em bem, sempre e outra vez mais, porque ele é amor e não cabe em si.

Havia poucas pessoas no casamento. Familiares, amigos, testemunhas, talvez alguns dos que se dispuseram a ajudar na limpeza e reconstrução. Mas diferente de outras tragédias e seus processos, esse agora não é um caminho solitário. Aquele casal descobriu um ao outro, eles agora se pertencem, e carregam uma aliança, a esperança e o desejo de fazer dar certo, de se amar e edificar um novo lar.

#OREPELOJAPAO, mas não faça só isso

Quando nossos semelhantes precisam de ajuda, devemos estender as mãos. Na dor, pessoas precisam de apoio, de nossas orações e de nossos recursos.

“De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-lo? Se um irmão ou irmã estiver necessitando de roupas e do alimento de cada dia e um de vocês lhe disser: “Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-se”, sem porém lhe dar nada, de que adianta isso? Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta.” (Tiago 2:14-17)

Se você puder ajudar, a ONG Visão Mundial está recolhendo doações para beneficiar crianças japonesas vitimadas no terremoto. Clique aqui para acessar.

(A foto do post foi tirada de um dos ensaios do excelente site de fotojornalismo The Big Picture).

Haiti

Os dias têm passado e eu confesso que apesar da vontade não consigo escrever nada que reflita minhas impressões sobre a tragédia no Haiti.

Mas, diante dos fatos, acho que não há mesmo o que dizer. Precisamos às vezes aprender a lamentar e chorar a dor de nossos semelhantes sem querer ter um lampejo de sabedoria ou consolo. Às vezes – na verdade, na maior parte delas -, não temos respostas.

Não existem palavras. E aquelas pessoas não precisam da nossa avaliação, análise ou de mensagens positivas. No “vale da sombra da morte” (usando a expressão de um poeta), no desconsolo da dor, na aflição, só podemos orar e estender a mão para ajudar no que for possível.

* * *

E existe gente que ajuda da forma mais nobre que conheço. Li há alguns minutos uma nota do escritor Donald Miller em seu blog a respeito da bela atuação que a Visão Mundial tem tido no país.

Republico abaixo o seu post e também o vídeo com o trabalho da ONG.

Our parents generation started World Vision in the 1950’s, and it’s grown into an over 2.5 billion-dollar per-year organization providing supplies, food and medical treatment to hurting people around the world. They aren’t the sexiest organization, and they don’t aim to be fashionable, but I’ve been amazed at the people who work at World Vision for may years now. I just wanted to show you what they are doing, already, in Haiti.

Se você quiser ajudar o Haiti, existem diversas entidades e orgãos governamentais recebendo doações. A Folha de S. Paulo publicou uma lista.

– LHM